ROTARIANO DO VILA ALPINA CONDUZ TOCHA PARALÍMPICA

José Amaury Russo teve o privilégio de conduzir a tocha paraolímpica, ontem (04/09), no Centro Paralímpico Brasileiro.

Segundo Amaury, “o incrível momento que tive hoje, como condutor da tocha paralímpica, é a recompensa por mais de 30 anos dedicados ao paradesporto no Brasil e no Mundo”.

Rotary_Vila_Alpina_rotariano_conduz_tocha_paralímpica

O momento foi acompanhado por muitos amigos, familiares e rotarianos do Vila Alpina. A emoção tomou conta de Amaury que declarou: “Nos 200 metros percorridos na pista do Centro Paralímpico Brasileiro, conduzindo a chama paralímpica, várias imagens vieram à minha mente. Lembrei-me das aulas de educação física, como estagiário, na APAE/São Paulo, a primeira Olimpíada Especial que organizei, a paixão pelos alunos e atletas com deficiência intelectual e a responsabilidade, que atualmente tenho, com a INAS – Federação Internacional de Desportos para Deficientes Intelectuais, com mais 130 mil atletas com DI, espalhados pelo Mundo, nos cinco continentes”.

E continua: ”Tenho muito agradecer, à minha família, minha esposa, meus filhos, amigos e companheiros do Rotary Vila Alpina, que me acompanham nessa jornada”.

José Amaury Russo é Presidente Mundial da INAS – Federação Internacional de Desportos para Deficientes Intelectuais, e associado ao Rotary Club de São Paulo – Vila Alpina desde março de 1993, tendo sido presidente do clube no ano rotário 1999/2000.

Nesta edição dos Jogos, a chama Paralímpica será formada pela união de cinco chamas regionais, acesas no Brasil, e uma acesa em Stoke Mandeville, na Inglaterra, o berço do movimento paralímpico mundial. Cada uma das chamas representa um valor dos Jogos Paralímpicos: Brasília representa a igualdade; Belém, a determinação; Natal, a inspiração; São Paulo, a transformação; Joinville, a coragem. No Rio de Janeiro, o valor será a paixão.